O colecionador pernambucano Abelardo Rodrigues (1908-1971) reuniu ao longo de sua vida uma das mais importantes coleções, composta por mais de 800 objetos, que revela a trajetória histórica e artística da arte sacra cristã no Brasil, percorrendo o Barroco e o Neoclássico, suas formas de representação e devoção, aproximando o humano do sagrado.

Apresenta peças datadas dos séculos XVII ao XX, confeccionadas em diversos materiais, a exemplo de madeira, barro cozido, marfim, pedra sabão e metal. São oratórios, miniaturas, imaginária, crucifixos, imagens de Roca, maquinetas, crucificados, mobiliário de devoção, objetos de origem brasileira, principalmente nordestina, como também de procedência europeia, completam a lista de itens. Neste universo, destacam-se obras com características orientais que fogem completamente ao traçado barroco marcante na coleção.

Inaugurado em novembro de 1981, o Museu Abelardo Rodrigues preserva uma das mais importantes coleções de arte sacra do país, reunida pelo pernambucano que dá nome ao museu. O acervo de Abelardo Rodrigues foi adquirido pelo Governo da Bahia em 1973, após uma longa disputa judicial com o Estado de Pernambuco, conhecida, na época, como “Guerra Santa”. As peças chegaram a Salvador em 1975.

O acervo reúne exemplares da imaginária erudita e popular, esta, registrando imensa variedade de influências regionais. Dentre elas, se destacam invocações raras como a Nossa Senhora do Leite e a Nossa Senhora das Almas do Purgatório.

Abelardo Rodrigues

Nascido no Recife, em 1908, o advogado, paisagista, poeta e pintor, Abelardo Rodrigues, herdou do pai o gosto pela aquisição de objetos que lhe tocassem a alma. Assim, a partir de 1930 e até o final de sua vida, dedicou-se a reunir um rico e diversificado acervo de arte sacra. Abelardo criou o Museu de Arte Popular de Pernambuco, fundou e presidiu a Escolinha de Arte do Recife e foi um dos idealizadores do Museu de Arte Popular de Caruaru.

Dedicou-se também ao paisagismo, tendo projetado vários jardins, a exemplo do Jardim da Serra das Russas, no Recife. Em 1971, ao liderar a Campanha Popular contra a demolição da Igreja do Bom Jesus dos Martírios, em Pernambuco, sofre um enfarte e falece no mesmo ano.

O Museu Abelardo Rodrigues integra os espaços administrados pela Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA).

Visitação: FECHADO PARA REFORMA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s