No próximo dia 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Ler Agora conta a história de duas mulheres, cada uma em sua área de atuação, que quebraram barreiras e se destacaram no país.

De um lado, a cantora e rapper negra, Liliane de Carvalho, a Negra Li, que veio da periferia da Brasilândia para se tornar a primeira mulher a adotar o RAP como estilo musical, inserindo-se no cenário musical brasileiro com grande sucesso.

E, de outro, a conceituada oncologista, pesquisadora e doutora, Nise Yamaguchi, cuja dedicação pela medicina ultrapassa as barreiras da ciência e da saúde. E integra a luta e defesa de grandes causas nacionais como a lei antifumo e a luta pela fila zero no atendimento ao câncer.

Imagem reprodução

DRA. NISE YAMAGUCHI

Oncologista brasileira, reconhecida internacionalmente, luta pela melhoria da saúde no país.

É rotina que a oncologista Nise Yamaguchi tenha seu consultório na Bela Vista lotado nas madrugadas, aos sábados, feriados e até aos domingos. Os pacientes oncológicos procuram a dra. Yamaguchi quando não encontram mais esperanças em outros tratamentos ou praticamente no momento em que se encontram em estado terminal. Desde 1994, é diretora clínica do Instituto Avanços em Medicina onde já atendeu a mais de 12 mil pacientes.

Expertise em câncer e especialista nas técnicas de ponta como a imunoterapia e a terapia-alvo, Yamaguchi consegue receber sempre seus pacientes com um sorriso no rosto , passando energia, determinação e confiança, itens indispensáveis no processo da cura.

No ano passado, recebeu o Prêmio Joseph W. Cullen, de prevenção e detecção precoce do câncer de pulmão, da Associação Internacional para o Estudo do Câncer de Pulmão. A entrega ocorreu na 19ª Conferência Mundial sobre Câncer de Pulmão, em Toronto, no Canadá.

No Brasil, foi uma importante liderança médica na aprovação da Lei Antifumo, que restringiu o fumo no país, sendo uma das leis mais rigorosas do mundo. Atualmente, ocupa o cargo de vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia e integra a diretoria da Associação das Mulheres Médicas da AMB – Associação Médica Brasileira.

Em sua atuação, a cientista mantém-se engajada em lutas pelas melhorias do atendimento à saúde da população. Recentemente, lançou pela Sociedade Brasileira de Cancerologia, a campanha pela FILA ZERO no diagnóstico e tratamento do câncer em audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo. E participou na Sociedade Brasileira de Cancerologia do planejamento e lançamento de ampla campanha televisiva em vídeo na luta contra o câncer denominada “Salve-se”.

É cientista sênior do Instituto Internacional de Pesquisa Preventiva e co-fundadora. da World Cancer Alliance em Lyon, na França, onde ela colabora para expandir o acesso ao tratamento do câncer em países de baixa e média renda. E importante especialista da imunoterapia oncológica e da terapia-alvo.

NEGRA LI

Uma das mulheres pioneiras no país a adotar o estilo rap de música, Negra Li completa 20 anos de carreira

Completando 20 anos de carreira, Negra Li, ou Liliane de Carvalho, iniciou sua carreira integrando o grupo RZO, de rap, tornando-se uma das primeiras mulheres a adotar o estilo rap no cenário musical brasileiro. Ficou conhecida como ”a rainha do rap” em todo o país. Fez escola para várias rappers, que seguiram seu modelo, e deu exemplo de sucesso para outras artistas que decidiram trilhar o mesmo caminho, como o grupo de rappers “Melanina MCs”. Foi precursora, quebrando barreiras contra o rap, que alguns consideravam um estilo alternativo ou de menor valor artístico.

Nesse Dia Internacional da Mulher, quando no mês de março todas as discussões estão voltadas para os direitos das mulheres e sua inserção na sociedade, lembramos a carreira de Negra Li, construída na periferia de São Paulo e alçada para o Brasil e o mundo.

Liliane de Carvalho foi uma menina nascida na Brasilândia, Zona Norte da cidade e desde cedo cultivou seu talento para a arte. Quando pequena sonhava ser modelo ou apresentadora de TV e depois na igreja evangélica descobriu sua vocação musical e seu talento para cantar. Cantou no coral da USP, onde sua voz de soprano ganhou força e técnica.

Integrar o RZO foi sua primeira oportunidade profissional, que evoluiu para uma carreira solo onde passou pelo pop e MPB. Gravou com Marisa Monte, Caetano e Skank. Ficou conhecida em todo o Brasil , auxiliada pelo falecido amigo Chorão, do Charlie Brown Jr.

Após vários anos sem gravar quando optou priorizar o papel de esposa e mãe, de Sophia e Noah, retorna agora às suas origens com um rap de vanguarda, acoplado a sons brasileiros e beats modernos, lançando o álbum RAÍZES. O novo disco aborda a questão do negro e a posição da mulher no país.

Recentemente, Negra Li foi convidada a gravar com a conceituada cantora Dezarie, no novo disco da artista caribenha de reggae. Dezarie queria a participação de uma cantora brasileira na música “Strong Woman”, foi em busca dessa voz que representasse a força feminina celebrada na composição. E chegou ao nome de Negra Li, a mulher do rap no Brasil.

1 comentário »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s