O procurador da república Ailton Benedito, questiona pelo twitter a decisão do Tribunal Regional Federal da 1° região de suspender a investigação sobre o advogado criminalista Zanone Oliveira, o qual defendia Adélio Bispo, preso em flagrante após esfaquear o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A Polícia Federal investigava a origem do dinheiro usado para pagar o advogado de Adélio Bispo. Com a suspensão deferida pelo desembargador Néviton Guedes, os materiais apreendidos em endereços e escritórios ligados ao advogado serão devolvidos a justiça. Isso engloba celulares, conversas, recibos e tudo que poderia servir como prova contra o advogado na investigação.

Segundo matéria da Veja, o advogado Oliveira declarou a Polícia Federal que “patrocinador” de Adélio Bispo pagou 5 mil reais em honorários e desapareceu “aquela pessoa se apresentou como conhecido de Adélio, da cidade de Montes Claros”, informou.

Veja o tuíte do procurador da república:

Anúncios