Segundo o presidente da Venezuela Nicolás Maduro, desde o dia 25 de março, o sistema elétrico da Venezuela vem sofrendo novos ataques, advindos da oposição (Guaidó).

Maduro não oferece documentos ou provas que comprovem a acusação. Os problemas elétricos da Venezuela ocorrem há anos. O estado de Roraima (Brasil), que dependente do fornecimento de energia venezuelana também é afetado pela má qualidade do serviço.

Hoje (01), pelo twitter, Maduro informou que será executado um regime especial de administração de cargas para equilibrar o Serviço Nacional de Eletricidade (SNE), em outras palavras, haverá racionamento de energia em todo o país. O plano será executado pelos próximos 30 dias e segundo Maduro não afetará a distribuição de água.

O outro lado

Juan Guaidó, presidente autoproclamado da Venezuela, afirmou por rede social que o racionamento é um paliativo, pois o governo não tem como solucionar a crise elétrica, “Neste momento existem cidades como Valencia e muitas outras sem luz, apenas para criar a ilusão de que tudo vai bem em Caracas”. “Mas aqui nada está bem”, completa.

Segundo Guaidó, em conversa com os governos de Colômbia e Brasil, a Venezuela importá energia elétrica dos dois países enquanto a crise humanitária não for resolvida. “Obrigado aos fornecedores e técnicos que contatamos”, diz Guaidó.

O Ler Agora contatou o Ministério de Minas e Energia para confirmar a informação, a matéria poderá ser atualizada.

Anúncios