O vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) divulgou, na noite de ontem (8), os supersalarios dos professores da Universidade de São Paulo. As imagens publicadas no Twitter mostram que 50 professores ganham acima do teto constitucional.

Na publicação do vereador, algumas pessoas argumentam que num país onde a maior parte da população mal ganha para sobreviver, receber salário acima do permitido não só é ilegal como também imoral. Outras pessoas argumentam que os professores merecem ganhar acima do teto, o que pode ser ilegal, mas não imoral.

De acordo com dados da Secretaria da Fazenda e Planejamento, o teto salarial do estado de São Paulo está limitado à R$ 23.048,59, o menor salário divulgado de um professor da UPS é de R$ 31.045,20.

Quantos as inúmeras pesquisas acadêmicas brasileiras, prevalece o padrão da preferência por quantidade ao invés da qualidade. O indicador “Citations Per Paper” (CCP), utilizado para avaliar a qualidade dos artigos produzidos em diversos países, mostra que o Brasil se encontra nas últimas colocações de citações em trabalhos acadêmicos, um dado que revela a irrelevância dos textos para as pesquisas mundiais.


De acordo com a Gazeta do Povo, estes Dados são referentes a 2015 e 2016, de subáreas de humanas e avaliam a colocação do Brasil em relação aos outros países participantes. Antropologia: 20º lugar de 22 países em 2016, e 18º lugar de 22 países em 2015. Sociologia: 43º de 46 países em 2016, e 40º de 43 países em 2015. Linguística: 40º de 44 países em 2016, e 36º de 37 países em 2015. Educação: 53º de 54 países em 2016, e 49º de 50 países em 2015.


Segundo a Clarivate Analytics, o Brasil é o 13° maior produtor de pesquisas no mundo. A USP corresponde pela maior parte dos trabalhos feitos anualmente no país, são cerca de 54 mil publicações, com qualidade acima da média em relação às outras instituições públicas de ensino superior.
Anúncios