Renan Calheiros, ex-presidente do Senado, afirmou nesta segunda-feira (17), ao criticar o Decreto de Armas, que a cúpula do governo é um “manicômio frenético”, pois “dá armas” à população para “formar milícias”. Para o senador, a liberação do porte e posse de armas “rebaixa a presidência, desafia o Congresso, o Supremo e insulta as Forças Armadas, e a polícia”.

Calheiros informou que votará contra o que chama de “agenda da morte”. Amanhã será aberta no plenário o Projeto de Lei (233/2019), que susta o decreto de armas.

Anúncios