O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou, através de decisão do desembargador Antônio Amado, a liminar requerida pelo senador Flávio Bolsonaro para suspender a quebra de seu sigilo bancário e fiscal. O senador é investigado por peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro entre 2007 e 2018, no período em que era deputado estadual do RJ.

O Ministério Público iniciou a investigação após relatório do Coaf apontar uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta do ex-assessor Fabrício Queiroz.

Anúncios