O Movimento Brasil Livre (MBL), denunciou nas redes sociais que um grupo de extremistas do PSL “chegaram agredindo” ativistas no meio de famílias e crianças”, o caso ocorreu nas manifestações Pró-Lava Jato, de hoje (30). A deputada Maria do Rosário, oposicionista aos protestos, se solidarizou com o ocorrido e cobrou proteção do ministro da Justiça, Sérgio Moro, “Se diz que são tontos, devia mais protegê-los”. Os responsáveis pelo ataque são assessores do PSL e já foram identificados.

Esta é a primeira manifestação em cinco anos do MBL em que ocorrem agressões, “essa turma vai tentar se vitimizar, mas noa atoa eles que foram detidos pela Polícia Militar (PM) e vaiados pelo público presente. Parabéns à PM pelo trabalho. Já temos imagens e vamos enviar tudo para as autoridades. Alguns destes agressores foram identificados como assessores do PSL em São Paulo”.

Rosário classificou o ataque como inaceitável e desejou que “ninguém tenha se machucado”.

Em maio, o MBL, um dos principais movimentos de apoio à campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro, se desvinculou do governo por causa de atritos e extremismo da ala olavista. O MBL acusa o governo de publicar fake news e ser a “CUT azul”.

Anúncios