O ex-ministro do ex-presidente Lula da Silva, Antonio Palocci, em delação premiada à CPI secreta do Supremo Tribunal Federal (STF), presidida pelo ministro Edson Fachin, falou sobre empréstimos de R$ 500 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas privadas como a Odebrecht, durante os governos do PT, em troca de recursos para as campanhas eleitorais.

De acordo com os Parlamentares que estiveram presentes na CPI, Palocci sugeriu que Lula assumisse seus erros, mas o petista teria negada e apostado no fim da Operação Lava Jato. Procurada pelo O Globo, a defesa do ex-presidente disse que não pode se manifestar quanto à um depoimento tido como secreto. A delação ocorreu nesta terça-feira (2).

Atualização: (11h20).

O BNDES acaba de informar que, nos últimos 10 anos desembolsou quase R$ 700 bilhões em empréstimos com recursos do Tesouro Nacional para financiar “investimentos de 673 mil empresas, das quais 453 mil são micro e 104 mil são pequenas empresas”.

Anúncios