O relator da reforma previdenciária na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, Samuel Moreira (PSDB-SP), informou, nesta quarta-feira (3), que o fim de isenção da contribuição dos exportadores rurais possibilitará a poupança de R$ 1,074 trilhão, valor próximo ao almejado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para o período de 10 anos.

O texto original estimava economia de R$ 1,236 trilhão, sem elevar receitas. Entretanto, o novo relatório espera elevar a arrecadação através do aumento de impostos e fim de isenções, e visa a redução R$ 933,9 bilhões em despesas.

Em relação as despesas, o novo texto visa economizar R$ 688 bilhões com o Regime Geral da Previdência Social (RGPS), R$ 136 bilhões do Regime Próprio dos Servidores Federais, R$ 74 bilhões ao reduzir da faixa de renda para recebimento do abono salarial e R$ 33 bilhões ao combater fraudes no BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Quanto a arrecadação, o fim da isenção dos exportadores rurais deverá aumentar a arrecadação em até R$ 83,9 bilhões. O aumento de 15% para 20% da Contribuição Social a partir do Lucro Líquidos dos bancos reforçará a previdência em até R$53,5 bilhões.

Os militares, estados e municípios não foram incluídos no texto.

Anúncios