O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a divulgação das mensagens entre o então juiz Sérgio Moro e demais procuradores pelo Intercept. Maia compreende que usar dados que supostamente foram obtidos ilegalmente (se uma das partes envolvidas na conversa vazou, não é crime) não é ilegal, a ilegalidade está em invadir os smartphones.

De acordo com o UOL Notícias, o deputado afirmou:

“É claro que a entrada num telefone de uma pessoa e você pegar informações privadas é crime e certamente o Ministério Público e a Polícia Federal vão investigar. Agora, a utilização dos dados eu acho que é o que nós chamamos de liberdade da imprensa. Todos nós cobramos uma democracia com liberdade de imprensa. Em outros episódios com utilização de dados sigilosos todos utilizaram como no caso do próprio Wikileaks. Então tem que ser o mesmo peso para os mesmos fatos”.

Assim como diz a Constituição Federal, Maia completou:

“Mas, um jornalista está com essas informações como em muitas outras vezes jornalistas tiveram [acesso] com informações sigilosas de delações e foram vazadas. Certamente se o servidor tivesse sido descoberto teria cometido um crime de vazar um dado sigiloso, mas a imprensa não cometeu nenhum crime de usar esse documento”.

Anúncios