O Ministério Público Federal (MPF) situado no Paraná afirmou ontem (9) que as supostas mensagens divulgadas pelo Intercept, as quais envolvem procuradores da operação Lava Jato e o ex-juiz Sérgio Moro, são “oriundas de crimes cibernéticos”.

A nova nota do MPF vem após a divulgação do primeiro áudio da Vaza Jato, no qual o procurador Deltan Dellagnol comemora a prisão do ex-presidente Lula.

“As supostas mensagens atribuídas a integrantes da força-tarefa são oriundas de crime cibernético e não puderam ter seu contexto e veracidade verificados. Diversas dessas supostas mensagens têm sido usadas, editadas ou descontextualizadas, para embasar falsas acusações que contrastam com a realidade dos fato”.

Anúncios