Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, criticou neste domingo (14) a deputada da sigla, Tabata Amaral, por conta do voto a favor da nova previdência. Segundo ele, a deputada defende a “democracia da conveniência”, pois “acha bom” quando os objetivos do partido estão alinhados aos dela e “ruim quando [o PDT] decide como ela não quer”.

A resposta vem após Tabata escrever criticamente à Folha sobre a falta de flexibilidade da “extrema-esquerda” que permanece “enclausurada em suas amarras” e que é vítima de perseguição política. Lupi questionou se democracia seria “ouvir o Jorge Paulo Lemann”, empresário brasileiro responsável pelo financiamento de novos políticos, dos quais Tabata faz parte.

Anúncios