O presidente Jair Bolsonaro (PSL) responderá uma ação por racismo protocolada no Ministério Público Federal (MPF) por 11 parlamentares da oposição nesta sexta-feira (26). O texto se baseia na declaração de Bolsonaro na última sexta-feira, que em café da manhã com jornalistas chamou os nordestinos de “paraibas”. O termo em questão é utilizado de forma pejorativa para se referir a quem advém do nordeste.

Na ocasião, Bolsonaro aconselhou o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni a cortar relações com o Estado do Maranhão, atitude que é inconstitucional. Como consequência, diversas figuras públicas se posicionaram sobre o episódio, o presidente do Senado defendeu a “diversidade cultural” do Brasil, Carlos Bolsonaro criticou a imprensa por difundir o diálogo vazado, um general chamou o presidente de “antipatriota” e foi atacado.

Devido a repercussão o chefe do executivo tentou apaziguar sua fala, o “Nordeste é minha terra“, e que “minha filha tem sangue de nordestino“.

Devido a repercussão do fato o governador da Bahia, Rui Costa (PT), boicotou presença em inauguração do aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, que contou com a presença de Bolsonaro e ACM Neto.

Anúncios