O presidente do regime ditatorial cubano, Miguel Bermúdez, respondeu, neste sábado (3), o presidente Jair Bolsonaro, que acusou Cuba de enviar guerrilheiros ao Brasil e escravizar os seus médicos. “A mamata acabou”, disse Bolsonaro, em referência aos R$ 1 bilhão pagos à ilha anualmente para contar com os médicos, no dia que lançou o programa Médicos Pelo Brasil para substituir o extinto Mais Médicos.

Os ataques do líder brasileiro não passaram incólumes, em sua rede social oficial, Bermúdez escreveu: “O Presidente Bolsonaro mente uma vez mais. Vergonhoso sua servidão aos Estados Unidos. Suas calúnias vulgares contra Cuba e o programa Mais Medicos jamais poderão enganar o povo brasileiro, que conhece a nobreza da cooperação cubana”.

Anúncios