(Fotos e vídeo) A destruição do Pantanal e a inação do governo

 (Fotos e vídeo) A destruição do Pantanal e a inação do governo
Digiqole ad

O Pantanal, maior área úmida continental do mundo, com uma das maiores diversidades de fauna e flora entre todos os biomas terrestres, queima há semanas sem que haja uma intervenção eficaz por parte das autoridades competentes no intuito de amenizar a destruição e as mortes de animais, muitos dos quais em risco de extinção ou vulneráveis, como a arara azul e a onça pintada.

O fogo que se espalha na região afeta ainda os indígenas, que, desamparados, passaram a pedir ajuda nas redes sociais. De acordo com os relatos publicados, os incêndios chegaram em suas aldeias, causando danos estruturais e risco de saúde.

Até o momento, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aproximadamente 17% do Pantanal foi devastado pelo fogo, o que equivale a mais de dois milhões de hectares. Segundo o projeto Solos, as queimadas deste ano já são 150% maiores do que as do ano passado, quando, no mesmo período, a área destruída superou os 880 mil hectares.

Apesar das queimadas, o governo Bolsonaro cortou as verbas do IBAMA e ICMBio para o ano de 2021.

O jornalista Leandro Barbosa, que trabalha cobrindo a situação de degradação do bioma, divulgou imagens e relatos sobre a situação atual do Pantanal. O Ler Agora separou uma série de fotografias que mostram o rastro de destruição na região.

“Reparem as lágrimas nos olhos”
Esse veado foi sacrificado. Suas patas e barrigas estavam queimadas. Partes do corpo necrosadas.
“Enquanto nada de concreto acontece, situações como essa são impossíveis de evitar”, relata Barbosa.
01/setembro – Onça é encontrada exausta e com as patas queimadas. Está sendo tratada com células tronco.
As patas da onça

Em entrevista à Folha, o delegado Alan Givigi afirmou que “as queimadas começaram em fazendas da região, em espaços inóspitos, dentro das fazendas, onde não há nada perto, o que nos faz entender que não pode ser acidente. Teoricamente, alguém foi lá para isso [colocar fogo]”.

Por sua vez, o secretário da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Mato Grosso, Flávio José Ferreira, afirmou em entrevista à Fórum, que “o Ministério da Defesa proibiu o Exército de ajudar. Segundo o governo, a Marinha que deveria dar o suporte, mas deram suporte com apenas um helicóptero. Há também cinco aviões que não estão sendo utilizados. Quem está combatendo o fogo de maneira árdua lá são os bombeiros do Mato Grosso e voluntários”. “É uma tristeza… animais mortos, falta de alimentação, se pensa no problema hoje e no amanhã também”.

Tiago Lopes

Sou Jornalista, formado no início de 2020. Mantenho o Ler Agora desde dezembro de 2018. Escrevo sobre política. Siga no Twitter: @tiagolopes_jorn

Outras Notícias

Criado por: Inove Criações