Ratinho defende ditadura ‘igual a Singapura’ e cita ‘fuzilamento de denunciados’

 Ratinho defende ditadura ‘igual a Singapura’ e cita ‘fuzilamento de denunciados’

A “intervenção militar”, defendida pelo apresentador, é inconstitucional segundo a Constituição brasileira de 1988

O apresentador Ratinho deu uma declaração, em cadeia nacional a favor da volta da ditadura militar, nesta quarta-feira (17). Para justificar seu posicionamento, ele citou Singapura, uma ilha na Ásia que cresceu economicamente às custas da repressão social após Lee Kuan Yew passar 30 anos como primeiro-ministro.

“O que vou falar pode até chocar, mas está na hora de fazer igual fez em Singapura. Entrou um general, consertou o país e, um ano depois, fez eleições. Mas primeiro chamou todos denunciados e disse: ‘vocês têm 24 horas para deixar o país ou serão fuzilados'”.

Ele também defendeu uma política de “limpeza” dos moradores de rua, os quais Ratinho se refere como “mendigos”. “Ele [Yew] pesquisou do que o povo tinha medo e era dos mendigos batendo nas portas. Ele limpou os mendigos da cidade. Do que as pessoas tinham medo? Morador de rua. Ele tirou todos os moradores de rua e deu um lugar para os caras se virarem. Ele limpou tudo e a imprensa ficou a favor dele. Aqui, se mexer com morador de rua, a imprensa cai em cima do político. Ele começou nos pequenos e chegou no maior”.

Tiago Lopes

Sou Jornalista, formado no início de 2020. Mantenho o Ler Agora desde dezembro de 2018. Escrevo sobre política. Siga no Twitter: @tiagolopes_jorn

Outras Notícias

Criado por: Inove Criações